Mitos e verdades sobre a reconstrução mamária

       A cirurgia reparadora da mama ocorre durante um dos momentos mais difíceis e delicados da mulher. Após o diagnóstico do câncer de mama, elas precisam se submeter a uma mastectomia, uma cirurgia que consiste na retirada total e parcial das mamas e linfonodos axilares.

Além de lidarem com a doença e o tratamento, as mulheres ainda sofrem com o impacto na autoestima pela retirada de um órgão que representa tanto para a sua a feminilidade, além de ser importante para a aparência feminina.

Por isso, quase todas mulheres que se submetem a mastectomias podem realizar a cirurgia de reconstrução mamária. O objetivo deste procedimento é aumentar a autoestima da paciente e como consequência melhorar sua saúde mental.

Muitas mulheres optam por realizar a reconstrução de mama imediatamente como uma forma de recomeçar a vida, já outras preferem esperar mais tempo para se recuperarem da cirurgia do câncer.

As técnicas de reconstrução mamária no Brasil variam de acordo com a cirurgia realizada para o tratamento do nódulo ou tumor e da quantidade de tecido retirado.

A Clinée Medicina Estética realiza todas as técnicas de reconstrução de mama. As mais realizadas são a aplicação de prótese de silicone, transferência de retalhos de pele e a que utiliza o expansor cutâneo.

Transferência de retalhos de pele: retira-se parte da pele, tecido adiposo e músculos da paciente para se reconstruir a mama. Pode-se recuperar parcialmente a sensibilidade da mama. As mais utilizadas são:

Retalho miocutâneo do músculo reto abdominal (TRAM): são retirados parte de pele, gordura e músculos da região inferior do abdômen. Não há necessidade de se substituir próteses.

 Retalho do músculo grande dorsal: são retiradosos músculos das costas para reconstruir a mama.

Aplicação de prótese de silicone: pode ser implantada entre o tecido mamário e o músculo peitoral, entre a aréola e a pele da mama ou pela axila.

Reconstituição da auréola e do mamilo: é realizada após a cicatrização da reconstrução da mama. A paciente deve esperar de 3 a 4 meses. Pode ser feito o enxerto de pele ou através de micropigmentação (tatuagem da auréola).

Prótese de silicone: é utilizada quando a mastectomia não remove uma grande quantidade de pele. O risco de infecção é baixo e sua introdução é feita em volta dos mamilos, pela axila ou no sulco inframamário (abaixo da mama)

Expansor cutâneo: sua recuperação é mais rápida, poisnão são utilizados tecidos de outras partes do corpo. Na maioria das vezes pode ser realizada durante a própria mastectomia.

       Utiliza-se um expansor temporário atrás da pele e do músculo toráxico onde é preenchido com soro fisiológico gradativamente no intuito de aumentar os tecidos até que seja atingido o volume ideal para a colocação de uma prótese de silicone futuramente.

A reconstrução mamária ajudará a paceinte a se preparar para uma mastectomia. Os resultados estéticos são positivos, mas é importante ressaltar que não ficará idêntico à mama natural, porém, mesmo assim, trará benefícios emocionais e estéticos para a mulher.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.